Para tudo o que você tá fazendo e vem ver esse vídeo!

Desde muito antes de entrar na faculdade, eu já imaginava como seriam meus projetos e meu TCC.
Sim, eu sou dessas que sonha acordada e nem sempre divide isso com os outros, apenas pra não precisar ouvir o pessimismo alheio.
Eu via matérias de sites (mesmo as da Capricho) de trabalhos universitários que estavam bombando, e ficava tipo: "nossa, eu preciso fazer algo assim um dia!".
Minha mente ainda fervilha com várias ideias e assuntos: será que faço sobre feminismo, racismo, preconceitos em geral? Será que falo sobre proteção as animais? Sobre o meio ambiente? 
Não sei, na hora eu decido rsrs

Há uns dias atrás, vi um trabalho que se destacou entre muitos dos que vi por aí. 
É um trabalho em grupo da escola USP, no Integrapoli. 
Elas dublaram o cover de Survivor, da Clarice Falcão, com o objetivo de rasgar os rótulos que recebem todos os dias, e lutar contra os padrões impostos às mulheres.


Por incrível que pareça, eu já pensei em algum momento em fazer um vídeo dublando essa música. Não desse jeito, mas de qualquer jeito que me viesse à mente.
Abordar feminismo pode até estar ficando repetitivo, mas é importante porque por incrível que pareça, a importância do feminismo ainda não entrou na cabeça de muitos.
Porque ainda tem mulheres duvidando da importância do feminismo na vida delas.
Porque ainda tem homens revoltados com esse movimento, dizendo que "não pode levar no extremo, senão um dia, os homens é que estarão lutando pelos seus direitos". Dá até agonia de ler ou ouvir esse tipo de coisa. Eu fico tipo: "cara, por que ver outras pessoas conquistando algo na vida te incomoda tanto? suas conquistas não vão sumir do nada só porque outras pessoas passaram a ter o mesmo que você, deixa de ser idiota". Aliás, idiota é uma palavra fraca. Recalcado não é a palavra certa porque remete à inveja, e como ter inveja de alguém que conquistou algo que você já tem???
Não sei, faltam palavras no dicionário para descrever a imbecilidade de algumas pessoas.

Fiz esse post para mostrar esse vídeo, desejar fazer um projeto tão foda quanto esse no futuro, e terminei pensando no quanto é triste ainda precisarmos lutar por direitos iguais no século 21 (não vou usar os números romanos porque isso é um blog, não um livro de história).

Mas enfim, sigamos na luta.
Se avançamos um pouco, avançaremos ainda mais. 

Share:

0 Fumados comentaram aqui

E aí, o que achou do post? Gostou? Odiou? Achou uma bosta e tá a fim de dizer que sou um lixo, me mandar pra puta que pariu? Comenta aí!

Obs: Não pagarei seu cardiologista nem seu psicólogo/psiquiatra caso acabe precisando.