#Resenha: Não se Enrola, não - Isabela Freitas

Como prometido na terça feira, aqui vai a resenha do livro Não se Enrola, Não. Li ele em dois dias, porque apesar de ser curto o suficiente para ler em apenas algumas horas, sou hiperativa demais pra ficar um certo tempo parada, no mesmo lugar. 

AVISO: Contém spoiler sobre o final do primeiro livro (Não se Apega, Não).


Autor(a): Isabela FreitasEditora: IntrínsecaNúmero de Páginas: 175Ano de Publicação: 2017Nota:  

Apenas para manter vocês atualizados, no primeiro livro (Não se Apega, Não), Isabela é uma adolescente que criou um blog anônimo para falar sobre sua vida pessoal envolvendo amizades, namoricos e o amor aparentemente platônico que ela tinha por seu melhor amigo galinha, Pedro.
Porém, o blog passou a ter mais acessos, foi hackeado e isso gerou uma certa tensão na escola onde ela estudava (perdão, mas não tinha como falar desse livro sem dar spoiler sobre o primeiro, pois é uma continuação).
No segundo (Não se Iluda, Não), ela consegue emprego em uma editora, apenas como assistente, mas com a intenção de futuramente mostrar os textos dela, a fim de conseguir publicar um livro. Uma pena que o chefe dela tenha rejeitado tudo de uma forma bem escrota.
Porém, uma empresa um pouco mais reconhecida gostou do blog dela e, com isso, ela ganhou a oportunidade de publicar um livro e trabalhar em São Paulo.
E é aí que começa a história de Não se Enrola, Não.
Em São Paulo, Isabela estava morando em uma Kit Net perto do apartamento de Pedro, seu melhor amigo que se mudou para a mesma cidade por causa de sua carreira como cantor, que estava subindo cada vez mais.
Eles tiveram a "brilhante" ideia de sustentar uma amizade colorida: dois amigos que transam, mas que são livres para ficar ou transar com quem mais quiserem. 
Enquanto ela vai escrevendo seu livro, trabalha em uma revista chamada Zureta, e tenta lidar com a paixão que nutre por Pedro, tentando adivinhar o que ele pensa, quais são os sinais de que ele pode gostar ou não dela, se é que há sinais...
Além disso, há outras complicações na vida dela: como seu emprego se devia a um blog, e não a uma formação em Jornalismo, por exemplo (que é o que todos naquela redação possuíam, exceto ela), ela tinha poucos amigos no trabalho. E a princípio, recebia pautas ridículas, já que a pauteira pelo visto também não ia muito com a cara dela.

E em relação ao Pedro, obviamente ela cometeu alguns (vários) deslizes enquanto tentava adivinhar se seu sentimento era correspondido ou não.
O final é o sonho de toda pessoa que já se apaixonou pelo(a) melhor amigo(a) na vida: dá tudo certo entre os dois e rola surpresa fofinha.

Vou ser sincera: teve algumas partes em que tava mais do que na cara que ele estava se declarando (tipo quando ele cantou uma música romântica num show, olhando bem nos olhos dela, e dizendo que a música era para alguém especial, e ela ficou pensando se podia ser pra outra pessoa).
Mas gente apaixonada tende a ser meio burra mesmo, né?
Eu, por exemplo, se não tiver nenhum sentimento, eu consigo perceber rapidinho quando alguém está a fim de mim. E acerto em cheio porque não demora muito tempo pra pessoa abrir a boca, ou alguém falar por ela.
Porém, se eu me apaixono por alguém, essa "habilidade" some. Os sinais de que a pessoa está a fim não são nada além de um "talvez eu esteja ficando louca", "Mas ele disse isso mesmo? Eu tô com princípio de esquizofrenia, é isso? Devo ir no médico?" ou "Talvez ele seja legal assim com todo mundo".
E acaba que nada acontece. Ou eu confesso e recebo a resposta que eu já sabia só pra acabar com aquela história logo, ou eu simplesmente deixo pra lá, boto alguns defeitos na pessoa pra facilitar o esquecimento e parto pra outra. 

Mas nos livros tudo é possível.
Dei nota 4 por causa da utopia e do clichê adolescente, mas confesso que esse é um bom livro pra quem quiser fugir da realidade um pouco e imaginar como seria se as coisas simplesmente dessem certo do nada, sua carreira caísse do céu junto com um amor magicamente correspondido (porque convenhamos, é bem difícil acontecer de duas pessoas se apaixonarem uma pela outra ao mesmo tempo, no mesmo segundo e na mesma intensidade).

Share:

0 Fumados comentaram aqui

E aí, o que achou do post? Gostou? Odiou? Achou uma bosta e tá a fim de dizer que sou um lixo, me mandar pra puta que pariu? Comenta aí!

Obs: Não pagarei seu cardiologista nem seu psicólogo/psiquiatra caso acabe precisando.