#Resenha: Nas Fases do Amor

Há um tempinho atrás, descobri que fui selecionada para ser parceira da Editora Em Foco. Eis que surgiu a primeira resenha pra fazer, e apesar de ter uma lista enorme de trabalhos da faculdade para fazer, li o livro com todo carinho e agora fico feliz em resenhá-lo (li em dois dias porque ele era curto, e digo em dois porque interrompi pra fazer os trabalhos, mas dava pra ler em um dia tranquilamente).

Título: Nas Fases do Amor
Autor: Glaco Stauffenberg
Ano: 2017
Editora: Em Foco
Número de Páginas: 124

Gabriel havia terminado com Hannah e ido morar em Londres. O motivo? Hannah era muito ciumenta, histérica, briguenta, não o deixava ter amigas, invadia sua privacidade e o sufocava. E como recebeu una proposta de emprego no exterior, aproveitou para terminar. Por carta. Dizendo que não sentia raiva e que fez isso pelo bem dos dois.
A história é toda contada por troca de cartas entre os dois, lidando com o término e discutindo eternamente.

Como feminista, era de se esperar que eu ficasse do lado da mulher, certo? Mais ou menos. Acredito que os dois estavam errados. Como eu detestaria viver em um relacionamento no qual sou controlada e sufocada pelo ciúme do outro, não concordo com as exigências de Hannah (uma delas era não chegar tarde do trabalho? Oi? Se fosse comigo eu ia deixar bem claro que se eu precisar fazer hora extra eu vou fazer e não é a criancice dela que vai me impedir). Sim, ela era imatura, mas como já havia sido traída, até que dá pra entender um pouco. No dia em que se conheceram, eles conversaram sobre suas desilusões amorosas, e mesmo ao namorarem, Hannah ainda enfrentava dificuldades para esquecer a traição por um tempo, e Gabriel a ajudou com isso. Mesmo assim, uma traição pode deixar traumas na pessoa, ela tende a ficar mais desconfiada, arisca, insegura e impulsiva, como a Hannah era.

Agora vamos falar do Gabriel. Primeiramente, terminar por carta? Por favor, né? Eu rasgaria o papel assim que terminasse de ler, jogaria fora e nunca mais daria sinais de vida novamente. Isso não se faz.
Em segundo lugar, ele condenava Hannah por seus defeitos, pedindo para que mudasse, e depois negava, dizendo que não estava com raiva. E apesar de ter terminado, volta e meia dizia que queria que eles voltassem. Quando Hannah conseguiu dinheiro para ir para Londres, ele despachou ela e disse que não queria. Se decide, né, meu?
Hannah estava errada em ser tão ciumenta e exigir coisas tão ridículas, mas Gabriel estava errado sim em terminar e depois ficar mandando cartas pedindo pra ela mudar e voltar, e ainda despachar ela quando ela decidisse voltar. Isso não faz sentido, ele não sabia o que queria.
Se você namora uma pessoa, você tem que aceitá-la como ela é, senão nunca vai dar certo. Todos temos defeitos, uns maiores do que outros, uns mais e outros menos mas o fato é que ninguém é perfeito. Se você namorar uma pessoa esperando que ela mude para se encaixar nas suas expectativas, você vai se decepcionar. Você vai cansar de esperar, e ela vai cansar de ser cobrada.
Gabriel era um poço de quero e não quero, chove não molha, sim só que não... era muito joguinho pro meu gosto, ou quer ou não quer. Não tem essa de dizer "queria que você voltasse, mas que mudasse e se tornasse o tipo de pessoa que eu acho certo". Não tem essa de quando a pessoa partir pra outra, você dizer que sabe que no fundo ela te ama. Se toca, o mundo não gira ao seu redor.
E óbvio, não tem essa de ficar pedindo pra voltar, e quando a pessoa voltar, você não querer mais e depois ficar se fazendo de vítima, culpando a pessoa, dizendo que ela não mudou (novamente aquela cobrança desnecessária), que ela é isso e aquilo... não gosta dela do jeito que ela é? Então não namore, não encha o saco, não persiga. Deixe ela em paz e parta pra outra (ou seja feliz sozinho mesmo, não é impossível).

Apesar do Gabriel, o livro é muito bom. Gosto desse tipo de escrita e achei interessante que tem dois finais: o primeiro é meio trágico, aí a narrativa diz "e se fosse diferente?", e mostra o Gabriel dando uma resposta diferente em uma das cartas, o que causou um final feliz.
A lição que tiramos desse livro é: valorize quem te ama antes que você seja obrigado a valorizar quem te amava.

Share:

4 Fumados comentaram aqui

  1. oi!!
    Não conhecia livro,a sinopse é muito interessante.Adorei sua resenha ;)
    bjo

    ResponderExcluir
  2. Rsrsrs, gostei da sua opinião em ver que os dois não estavam tão certos, adorei a resenha,
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Não conhecia esse livro não! gostei vou leer hahaha! Boa resenha.

    sou do blog www.siegstyle.com beijos!

    ResponderExcluir
  4. So interesting post! Love your blog.
    Would you like to follow each other? If you do, let me know in the comments on my blog.
    hugs
    www.darijadujovic.blogspot.com

    ResponderExcluir

E aí, o que achou do post? Gostou? Odiou? Achou uma bosta e tá a fim de dizer que sou um lixo, me mandar pra puta que pariu? Comenta aí!

Obs: Não pagarei seu cardiologista nem seu psicólogo/psiquiatra caso acabe precisando.